Carlos Alberto de Oliveira Andrade – conheça um pouco da trajetória do homem a frente da CAOA

Carlos Alberto de Oliveira Andrade, único acionista do Grupo CAOA tem uma rotina agitada. O doutor, por sua formação em medicina, contraria as recomendações que daria aos pacientes a respeito de uma dieta equilibrada, uma vez que mal tem tempo de almoçar. São reuniões, relatórios que precisa ler, equipamentos que precisa avaliar, entrevistas e muitas outras tarefas que só permitem comer um sanduíche ou outra refeição rápida.

O homem a frente da principal distribuidora de automóveis do país apresenta hábitos simples e está sempre sorridente, em especial quando comenta sobre alguns dos prêmios que recebeu este ano. Entre eles estão o primeiro lugar na pesquisa de satisfação conduzida pela JD Power, uma das mais importantes consultorias, que avalia os serviços do mercado automotivo a partir da opinião dos consumidores.

Além dela merecem destaque as duas premiações concedidas pela revista Consumidor Moderno: “Empresa do Ano” por votação popular e “Satisfação em Atendimento ao Cliente” na categoria de automóveis de luxo. Sobre os prêmios, Andrade afirma que mesmo sendo uma companhia 100% fica a frente de multinacionais que operam no país.

O início

Carlos Alberto de Oliveira Andrade assumiu o comando da primeira concessionária no da década de 70. Para ele, atuar no mercado de automóveis foi algo que aconteceu quase por acaso, quando ainda era cirurgião em Campina Grande. Na ocasião Andrade comprou um Ford Landau, mas a concessionária decretou falência e o bem não foi entregue.

Como só receberia depois da loja ser vendida, o então médico viu uma boa oportunidade. “Eu vi que havia potencial. “A marca era boa, os carros também”, disse ele. Foi então que arrematou a empresa por por 4 milhões de cruzeiros.

Seu compromisso sempre foi a satisfação do cliente impulsionou o negócio. Antes da aquisição eram vendidos oito carros por mês, depois eram mais de 30 veículos comercializados mensalmente. No fim do ano, foram mais de 100. E foi esse o cenário que trouxe a fama do doutor que fazia qualquer negócio. Aceitava quase de tudo, carros usados, terrenos, gado e até tijolos, tudo para não perder cliente.

Pouco tempo depois a Ford ofereceria a principal concessionária de Recife para Carlos Alberto de Oliveira Andrade. Anos mais tarde, a CAOA se consolidaria como a maior revendedora da Ford no país, tanto em quantidade de lojas, quanto de unidades vendidas.

Desde o início das atividades, em 1979, a empresa vendeu mais de 1 milhão de veículos em todo o país. Atualmente são 160 concessionários (incluindo as 12 lojas de seminovos e a rede independente). Nelas são vendidos o HB20 e o Creta, além dos modelos produzidos pela CAOA montadora na fábrica de Anápolis (GO), os SUVs Tucson, New Tucson e ix35, e os utilitários HR e HD80. A marca ainda conta com 130 oficinas e a CAOA Consórcios.

A fábrica no estado de Goiás

Inaugurada há 10 anos em Anápolis, a fábrica da CAOA é uma das mais modernas do país. “Os modelos produzidos lá tem a mesma qualidade que os produzidos na Coreia pela Hyundai”, garante Carlos Alberto de Oliveira Andrade. Segundo ele, os números e índices de qualidade comprovam sua fala.

O bom desempenho se deve a aquisição dos melhores equipamentos disponíveis, a exemplo dos 32 robês que realizam ações nas áreas de pintura e body shop; o moderno centro de pesquisa e a preocupação constante com o ambiente.

A unidade fabril é a menina dos olhos de Carlos Alberto Andrade. Ele ressalta que ela foi construída com recursos próprios, sem nenhum apoio do BNDES. Ela gera mais de 25 mil empregos diretos e indiretos e desenvolve um trabalho de prevenção ambiental na região.

Empreendedorismo depois da aposentadoria: confira a causa por trás dessa tendência

Embora muitas pessoas possam associar a aposentadoria com um período de descanso permanente, essa não é a realidade de uma significativa parte de quem chega nessa fase da vida. Desse modo, muitos aposentados utilizam essa época para a abertura de diversos tipos de negócios, muitos representando a idealização de projetos antigos, visando-se trabalhar com algo que lhes dê prazer.

Ao se considerar isoladamente o estado de São Paulo, pode-se concluir que cerca de 120 mil das pessoas que optam pelo regime de MEI (Microempreendedor Individual), já ultrapassaram a idade mínima para se aposentar. Observa-se também que há um crescimento do número de empreendedores com esse perfil, pois se em 2017 o índice era de 5,7%, no ano de 2018 foi para 6,1%. A mesma tendência também é verificada ao se considerar o ano de 2016.

Para Ruy Barros, consultor do Sebrae-SP, algumas peculiaridades podem ser vistas no modo de empreender dessas pessoas. Segundo ele, a experiência adquirida com o passar do tempo se mostra favorável no momento de se escolher o ramo de atuação. Dessa maneira, as chances de se envolverem em negócios infrutíferos são pequenas, pois os aposentados costuma prezar pela entrada em empreendimentos sólidos.

Mesmo que se espere que os negócios gerem lucros em períodos curtos de tempo, Barros destaca que os empreendedores dessa natureza não se esquecem de uma etapa importante para todos os negócios: o planejamento. O consultor alega que eles conseguem cumprir com etapas fundamentais para a abertura de um negócio.

Em relação aos fatores que costumam motivar tais empreendedores, obter uma fonte extra ou complementar de renda foi o mais citado por estas pessoas. Tal constatação é feita por quase 40% do público que adota o empreendedorismo após se aposentar.

A necessidade de aumentar os ganhos da família ocasiona a entrada em segmentos onde a criatividade pode ser um importante diferencial no rumo ao sucesso. Assim sendo, é comum de se observar que diversos aposentados passem a ingressar em áreas diferentes da que costumaram trabalhar ao longo de toda a vida. De modo geral, estes começam a trabalhar com atividades que os motivem também pessoalmente.

Saiba mais:

https://revistapegn.globo.com/MEI/noticia/2018/11/casal-de-aposentados-faz-sucesso-vendendo-molhos-de-pimenta.html

Felipe Montoro Jens apoia melhorias

 

No passado, algumas pessoas achavam que o BNDES tinha o monopólio do financiamento de infraestrutura. Com o novo modelo, esse conceito diminuirá. Isso porque o novo modelo permite a participação de investidores privados e permite a competição entre credores privados. Felipe Montoro Jens informou que não haverá um setor específico de infraestrutura que será a principal prioridade para os fundos de investimento. O presidente do BNDES afirmou que os investidores não poderão escolher qual setor financiar.

Prefeito de Campina Grade discute PPPs com Banco do Nordeste

Como todo setor de infraestrutura no Brasil precisa de várias melhorias, o BNDES alocará recursos conforme necessário. Felipe Montoro Jens disse que o BNDES está planejando vender o suficiente de suas ações em várias empresas para fazer cerca de 10 bilhões de reais. Não está planejando reduzir seus preços. No entanto, a possibilidade de deixar suas participações no futuro próximo dependerá do mercado. Felipe Montoro Jens está otimista sobre a fundação do novo modelo de financiamento de infraestrutura e as muitas oportunidades que ele criará.

 

Por muitos anos, Felipe Montoro Jens tem apoiado ideias de melhoria no Brasil. Ele é especializado em finanças e infra-estrutura e ajuda grandes corporações e entidades privadas a desenvolver estratégias financeiras poderosas. Sua formação em infraestrutura inclui estratégias do governo estadual, soluções econômicas de resíduos, eliminação de resíduos corporativos e responsabilidade ambiental. Felipe estudou negócios na Fundação Getulio Vargas, uma das escolas de negócios de maior prestígio no Brasil.

 

Depois que ele terminou sua educação lá, ele foi para a Thunderbird School of Global Management da Arizona State University. É uma instituição de ponta para treinamento em gerenciamento de negócios globais. Felipe entrou no mundo corporativo dos negócios, e rapidamente subiu a escada com várias promoções e afiliações no conselho. Ele trabalhou para várias empresas globais respeitadas e sua inovação foi valiosa em muitos dos principais projetos de infraestrutura. A carreira de Felipe no mundo da infra-estrutura se estende por mais de 25 anos. Ele está determinado a continuar o desenvolvimento econômico do Brasil.

SPC e CNDL projetam boas vendas para o Natal

O Natal está chegando e com ele promessas de bons negócios para o comércio. De acordo com previsões da CNDL – Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas e do SPC Brasil – Serviço de Proteção ao Crédito a data deve movimentar R$ 53,5 bilhões em compras. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira dia 8 de novembro.

De acordo com as previsões, o desempenho do varejo deve ser estável em relação ao mesmo período de 2017, principalmente levando em conta a inflação e a instabilidade financeira do período. No ano passado a previsão das entidades foi de injeção de R$ 51,2 bilhões na economia.

O que diz pesquisa

A pesquisa conduzida pelo SPC Serasa mostra que 72% dos entrevistados (equivalente a 110 milhões de brasileiros) devem comprar presentes neste Natal. Outros 9% afirmaram que não vão às compras e 19% ainda não tem opinião formada ou não se decidiram sobre a questão. Esse percentual de indecisos aumentou consideravelmente em relação aos anos anteriores.

De acordo com a economista-chefe do SPC, Marcela Kawauti, a maioria dos brasileiros que não sabem se vão comprar no Natal mostra que apesar da saída da crise, as eleições deixaram muitos deles receosos. “A boa notícia é que, mesmo com mais consumidores indecisos, o percentual dos que planejam gastar mais neste Natal subiu para 27%”, ressalta Marcela que completa que esse percentual é 8% maior do que o evidenciado no ano passado.

O estudo aponta que 85% dos consumidores que vão pesquisar por preços mais competitivos para economizar na data; o mercado virtual será a escolha de pesquisa de preços de 67% dos entrevistados; as lojas de rua será a opção de 49% dos clientes que irão pesquisar e 47% vão recorrer aos shoppings.

A pesquisa foi conduzida nas 27 capitais brasileiras e ouviu consumidores de todas as classes sociais com idade acima de 18 anos, entre os dias 1 e 15 de outubro de 2018.

Bom desempenho

Para Flavio Borges, superintendente de finanças do SPC, o desempenho previsto para o Natal deve ser encarado como um copo “meio cheio”, em virtude das pessoas que ainda estão endividadas e sem dinheiro para investir em presentes. Ele ressalta que o período eleitoral influenciou no resultado do estudo.

Catalisador altamente estável pode ajudar a transformar água em combustível

Quebrar as ligações entre o oxigênio e o hidrogênio na água pode ser uma chave para a criação de hidrogênio de maneira sustentável, mas encontrar uma técnica economicamente viável para isso se mostrou difícil. Pesquisadores relatam ter descoberto um novo catalisador gerador de hidrogênio que elimina muitos desses obstáculos econômicos.

As notícias sobre a descoberta foram divulgadas no segundo semestre de 2018 na revista Angewandte Chemie e em sites relacionados com o assunto.

Os pesquisadores da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, Estados Unidos, relatam sobre um material eletrocatalítico feito da mistura de compostos metálicos com uma substância chamada de ácido perclórico. Os eletrolisadores usam eletricidade para quebrar moléculas de água em oxigênio e hidrogênio. O mais eficiente desses dispositivos usa ácidos corrosivos e materiais de eletrodos feitos de compostos metálicos de óxido de irídio ou óxido de rutênio. O óxido de irídio é o mais estável dos dois, mas o irídio é um dos elementos menos abundantes na Terra, então os pesquisadores estão em busca de um material alternativo.

“Grande parte do trabalho anterior foi realizado com eletrolisadores feitos de apenas dois elementos: um metal e oxigênio. Em um estudo recente, descobrimos que, se um composto tem dois elementos metálicos – ítrio e rutênio – e oxigênio, a taxa de reação à quebra de água é bem maior”, disse Hong Yang, um dos autores da nova descoberta e professor de engenharia química e biomolecular em Illinois, Estados Unidos.

Os pesquisadores realizaram procedimentos para fazer este novo material usando diferentes ácidos e temperaturas de aquecimento para aumentar a taxa da reação de separação da água.

Os pesquisadores descobriram que, quando usavam ácido perclórico como catalisador e deixavam a mistura reagir sob calor, a natureza física do produto de rutênio de ítrio mudava.

“O material se tornou mais poroso e também teve uma nova estrutura cristalina, diferente de todos os catalisadores sólidos que produzimos anteriormente”, disse os pesquisadores.

O novo material poroso que a equipe desenvolveu, um óxido piroclorídrico de rutênio com ítrio, pode dividir as moléculas de água em uma taxa maior do que o padrão atual da indústria.

“Por causa do aumento da atividade que promove uma estrutura porosa e altamente desejável quando se trata de eletrocatalisadores, foi possível um percentual maior na geração do hidrogênio. Esses poros podem ser produzidos sinteticamente com moldes de tamanho nanométrico e substâncias para a fabricação de cerâmica; no entanto, eles não podem resistir às condições de alta temperatura necessárias para a fabricação de catalisadores sólidos de alta qualidade.”, disse Yang.

Grupo São Martinho aponta queda na produção de cana de açúcar em 2018

O Grupo São Martinho, que é responsável pela maior unidade de processamento de cana de açúcar no mundo, revelou que nesta temporada a moagem de cana teve uma queda significativa. Essa queda também é observada na produção de açúcar e etanol, que têm como matéria-prima a cana de açúcar. Segundo um executivo representante do grupo, a seca excessiva foi o principal fator para essa queda expressiva em todo o Estado de São Paulo.

De acordo com os dados divulgados em outras notícias sobre o tema, o ano de 2018 será o 4º ano consecutivo com queda na produção de cana de açúcar. Já no registro da usina do Grupo São Martinho, que está localizada em Pradópolis, Ribeirão Preto, esse ano será o segundo ano consecutivo com queda na moagem de cana. Esse registro vem acompanhado da queda da umidade que é causada por um volume menor de chuvas durante a produção da matéria-prima.

A usina do Grupo São Martinho, que tem capacidade de moagem de até 10 milhões de toneladas a cada ano, revelou sobre essas novas projeções: “Esse resultado tem sido observado nos últimos quatro anos”. O proprietário da usina e diretor de “Agricultura e Tecnologia” da empresa São Martinho SA, Mário Ortiz Gandini, confirmou que essa queda consecutiva é um reflexo da falta de chuva registrada nos anos anteriores.

As estimativas para a economia do setor é que a região centro-sul do país registre mais uma queda na produção de cana de açúcar. A região centro-sul do Brasil é atualmente a maior produtora dessa matéria-prima.

Além do clima seco, diversos especialistas apontam que há muitas empresas com problemas financeiros atuando no setor, o que gera um impacto negativo nos investimentos realizados para a produção de cana de açúcar na região. A empresa São Martinho é uma das poucas empresas que ainda não apresentam problemas financeiros. Mesmo com a queda da produção de cana de açúcar, a empresa ainda tem revelado lucro em quase todos os trimestre dentro desses últimos quatro anos.

Embora a projeção para a produção de cana de açúcar deste ano seja de queda, o mês de setembro já registrou a chegada das chuvas em várias regiões do país. A expectativa é de que as chuvas continuem ao longo dos próximos meses, o que possibilitará uma safra melhor no próximo ano.

Homenagem de Guilherme Paulus aos 35 anos de Fundação 25 de Janeiro

Guilherme Paulus, presidente do grupo GJP e um dos nomes mais conceituados no setor turístico e hoteleiro do país, em homenagem a Fundação 25 de Janeiro publicou uma carta aberta destacando alguns pontos dos 35 anos de existência da instituição. A entidade sem fins lucrativos detém as marcas São Paulo Convention & Visitors Bureau e a Visite São Paulo, ambas voltadas para o mercado turístico da região. Em seu texto, diante do comprometimento dos envolvidos com o trabalho e o resultado alcançado, o empresário define as três décadas e meia de atividades da Fundação como um marco histórico no segmento de viagens, eventos e turismo.

O eleito “Empreendedor do Ano” no setor de serviço, premiado pela IstoÉ em 2017, não deixou de mencionar os associados da instituição em seus agradecimentos. Segundo Guilherme Paulus, os afiliados são responsáveis por contribuir fortemente com a movimentação de mais de 40 setores da cadeia produtiva do turismo, e assim, consequentemente, favorecer o fomento da economia e a ampliação de criação de oportunidades com captações e apoio a eventos realizados no Brasil e no exterior. Ainda ressaltou que estes profissionais, cujo intuito é oferecer a excelência “na arte de bem receber” e promover São Paulo, buscam atuar de modo a impulsionar o desenvolvimento de medidas para atrair mais visitantes ao destino desejado, seja por meio de ações publicitárias de marketing e conteúdo ou através de feiras do trade em território nacional e internacional.

Nas palavras da carta divulgada por Guilherme Paulus o emprenho dos profissionais relacionados ao segmento é enaltecido devido à cooperação com o crescimento de São Paulo e com a geração de negócios durante todos os dias do ano. Apesar dos muitos desafios vivenciados nos 35 anos de Visite São Paulo, o compromisso com a busca de melhores oportunidades para o município sempre prevaleceu, deixando um saldo positivo graças à geração de relacionamento, procura por tecnologias aplicáveis no dia a dia, antecipação de tendências e as pesquisas sobre novidades referentes a eventos para agregar no calendário.

Além do reconhecimento reportado aos parceiros envolvidos, que fazem ou em algum momento fizeram parte deste importante marco para São Paulo, Guilherme Paulus também parabenizou a Fundação 25 de Janeiro pela disposição demonstrada nestes 35 anos. O sócio-fundador da agência de viagens CVC enfatizou nesta congratulação a atuação na elaboração de ações em prol do segmento, o desenvolvimento do destino e o incremento ao turismo com o objetivo gerar mais valor em áreas como gastronomia, hospedagem, comunicação, compras, sinalização, encontros, conteúdo e transporte. O empresário lembra que é possível encontrar um pouco mais sobre a Fundação no livro comemorativo lançado no aniversário de 30 anos da instituição.

Sempre demonstrando muita positividade em seus discursos, Guilherme Paulus, que com seus quase 50 na área de turismo é reconhecido nacional e internacionalmente por seus empreendimentos de sucesso, finaliza seu texto demonstrando otimismo com o futuro após mencionar o novo momento do Brasil, que, em sua visão, é um “ciclo inédito”. Para ele, é importante ter confiança em “um futuro próspero e cheio de oportunidades”.

Hotel de Guilherme Paulus ganha prêmio em cerimônia internacional

Pelo segundo ano em sequência, o Wish Resort Foz do Iguaçu, um dos hotéis da rede GJP Hotels & Resorts, que foi criada no ano de 2005 pelo empresário Guilherme Paulus, venceu a categoria de “Melhor Resort para Famílias da América do Sul”. Esse prêmio foi entregue durante o World Travel Awards (WTA) de 2018, que é considerado como o Oscar do ramo da hotelaria.

Atualmente em sua 25ª edição, a cerimônia do World Travel Awards foi realizada na cidade de Guayaquil, no Equador. Esse prêmio possui um amplo reconhecimento internacional e é uma referência entre os empreendedores da área do turismo e também entre o público que se interessa pelo assunto. Dois anos antes, outro hotel da rede de Guilherme Paulus também já havia sido premiado no evento, na prestigiada categoria de “Melhor Resort do Brasil”.

Na edição de 2018, alguns outros hotéis do Brasil também ganharam prêmios, como o Dom Pedro Laguna, de Fortaleza, que conquistou o título de “Melhor Resort de Praia”, também o Hotel Saint Andrews, de Gramado, o qual ganhou a categoria de “Melhor Hotel de Luxo”. Além disso, algumas cidades também ganharam prêmios, como o Rio de Janeiro, que foi escolhido como o “Melhor Destino para Turismo Esportivo”.

https://www.facebook.com/guilhermejesuspaulus

Na premiação World Travel Awards, os indicados de cada categoria competem através de uma votação aberta ao público, a qual considera diversos aspectos, como a qualidade no excelência no atendimento aos hóspedes, a infraestrutura do hotel, e o desempenho do resort nos negócios.

 Wish Foz do Iguaçu

O Wish Resort Foz do Iguaçu pertence ao Grupo GJP, do executivo Guilherme Paulus, desde o ano de 2009, período no qual passou por um amplo processo de reestruturação. Nos dias de hoje, depois de ser modernizado, o resort conta com um espaço de cerca de 225 hectares de área de lazer, e ainda se destaca por sua qualidade gastronômica.

No total, o resort possui mais de 200 apartamentos, além de jacuzzis, piscinas para crianças e adultos e crianças, salão de beleza, adega, saunas, trilhas e uma área para arvorismo, pista de cooper e uma parede de escalada. No âmbito gastronômico, são três restaurantes, o Forneria di Como, que é especializado em culinária italiana, o Frontera Sur, que é de carnes nobres vindas da Argentina, e o Golf Grill, um espaço mais informal que serve café da manhã, almoço e jantar.

Entre os seus diferenciais, o Wish Resort de Guilherme Paulus conta com um dos Kids Club mais completos do país, ideal para as famílias com crianças, e um campo de golfe considerado profissional, que tem mais de 80 hectares de extensão.

 GJP Hotels & Resorts

A GJP Hotels & Resorts, cujas iniciais representam o nome de seu fundador, Guilherme Paulus, é administrada pela GJP Participações. No início, a rede começou com somente um empreendimento e, em alguns anos, alcançou o status de uma das principais redes hoteleiras do Brasil. Atualmente, o grupo administra 14 hotéis e resorts espalhados por todas as regiões do país e o seu projeto de crescimento prevê a inauguração de novos estabelecimentos nos próximos anos.

Com taxas de ocupação elevadas, quando comparadas a média nacional, os hotéis da rede estão em alta entre o público, sendo possível citar especialmente os exemplos do Saint Andrews e do Prodigy Hotel Santos Dumont Airport, ambos com estilos bem distintos mas com excelentes avaliações e muito bem recomendados.