Drones são muito úteis no agronegócio, exemplifica Flavio Maluf

Quando se fala em “drone”, hoje em dia, é quase certo que a pessoa já saiba do que se trata, afinal, as tecnologias estão cada vez mais presentes em nossas vidas. E os drones, como lembra o atual presidente do Grupo Eucatex, Flavio Maluf, mais ainda, e em vários setores, não apenas no militar, onde ainda se concentra em maior proporção (chega a 89%).

Dente essas várias funções, podemos exemplificar algumas, como a de combater-se o crime ou a de vigiar-se as fronteiras lembra Flavio Maluf, ou até mesmo a prevenção de incêndios. Fora dessa linha de segurança, ele também cita o monitoramento do clima, além de, nas mineradoras, ajudarem os drones na medição de volumes e determinação de curvas de nível. Mas o foco desse empresário está muito além dessas possibilidades, pois reporta que os drones não apenas servem para tudo isso ou apenas para filmagens, como devem pensar alguns, mas, de forma bastante eficaz, para o agronegócio propriamente dito.

Nesse meio, os produtores rurais vêm utilizando dos drones, por exemplo, para a contagem do gado, além de também servirem para a regularização das propriedades junto ao INCRA. Não parando por aí, Flavio Maluf lembra ainda que eles servem, de forma até óbvia, para o mapeamento dessas fazendas e de suas plantações, assim auxiliando, inevitavelmente, também no Cadastramento Rural Ambiental.

O empresário Flavio Maluf que, além de presidir o Grupo Eucatex, é também formado em engenharia mecânica pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), procurou detalhar melhor como funciona a contribuição dessa tecnologia em questão ao agronegócio. Tratou, assim, de explicar como as câmeras, que são de alta definição, quando embarcadas na aeronave, ou melhor, drone, propiciam um mapeamento de qualidade, feito enquanto sobrevoa-se o local de interesse.

Flavio Maluf fala sobre incentivos fiscais e os benefícios para as empresas

E são esses registros, segundo Flavio Maluf, depois lidos por um software específico, bastante inteligente por sinal, o qual consegue identificar sejam falhas no plantio sejam doenças nas plantas. Mas não para por aí, não, já que é possível detectar, além disso, se há falta de irrigação ou até carência de nutrientes, fora a discriminação de culturas e a detecção de ervas daninhas. Por fim, o empresário destacou algumas possibilidades mais, como a de poder-se contar as plantas e avaliar-se os seus respectivos crescimentos.

Seguir junto @flavio_maluf

Manaíra Shopping, de Roberto Santiago, mantém crescimento mesmo em tempos de crise

O shopping centers brasileiros alcançaram crescimento de 6,5% no ano de 2015. De acordo com informações retiradas do censo encomendado pela Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce), o segmento faturou aproximadamente R$ 150 bilhões naquele ano.

No estado da Paraíba o panorama não diverge daquele verificado a nível nacional. Mesmo diante o cenário de crise que aflige toda a economia brasileira, os shopping centers da região têm muitos motivos para comemorar. Um bom exemplo é o Manaíra Shopping, que pertence ao empresário Roberto Santiago, e que não para de crescer.

A pesquisa realizada de forma conjunta pela Abrasce e pelo Grupo de Estudos Urbanos (GEU), além de trazer boas notícias para o segmento, também conferem ao setor maior potencial de investimento. Esse contexto possibilita melhores condições para expansão e inovação, o que reflete diretamente na qualidade do serviço oferecido ao público.

O levantamento ainda revelou que o Brasil possui 538 centros de compra em funcionamento e cerca de 30 em fase final de construção – números que ressaltam o vigor do segmento. Outros dados apresentados pelo censo atestam o bom momento do setor: mesmo vivenciando um período de crise econômica, os shopping centers empregam mais 1 milhão de trabalhadores em todo pais; somente no ano de 2015, aproximadamente 54 mil postos de trabalho foram preenchidos em shoppings.

A força do nordeste

A região Nordeste é responsável, em números totais, pela segunda maior realização de vendas em shoppings, somente atrás da região sudeste. A Paraíba, com o impulso do empreendimento realizado por Roberto Santiago (Manaíra), celebra o avanço do setor e busca se reinventar constantemente, desenvolvendo as áreas comerciais e de lazer e diversão, o que gera impactos positivos nas vendas como um todo.

Segundo a gerente de marketing do Manaíra Shopping, Rafaela Barros, os centros de compra, para permanecerem sempre em foco, precisam se reinventar constantemente. O empreendimento de Roberto Santiago, dentre os cincos principais centros de compra do Paraíba, é o que possui a maior área disponível para locação de uso comercial (75 mil metros quadrados).

A gerente ainda salienta que o Manaíra, além de centro comercial, também se apresenta como espaço multiuso, oferecendo a seus clientes: academia de ginástica, faculdade e casa de shows – idealizados por conta do tino comercial de Roberto Santiago.

Números atestam o otimismo dos empresários

Os resultados positivos também contribuem para tranquilidade dos gestores nos shopping centers paraibanos. Segundo estudo divulgado recentemente e que analisou a confiança dos empresários em shopping centers, aproximadamente 40% dos empreendedores esperam que o segmente registre expansão de 5% no ano seguinte, mesmo que a crise ainda não tenha chegado ao fim. No mesmo levantamento, cerca de 60% dos empresários crê que os efeitos da crise não impactarão seus negócios.

Outra informação relevante apurada na pesquisa faz referência à intenção de consumo as famílias, que pelo terceiro ano consecutivo apresentou aumento em relação ao valor gasto em shoppings. O Manaíra, de Roberto Santiago, no ano de 2015, recebeu um movimento de aproximadamente 2 milhões de pessoas.